Encontros Grandes Deuses

Toda criação começa no caos. A grega mais do que todas, já que Khaos é a primeira divindade.

Por Renato Kress

Aquele começo confuso onde vamos deitar, e tudo atravessa nossa cabeça. Ideias, prazos, desejos, urgências, afetos, boletos. É um dos maiores desafios do nosso dia a dia equilibrar as exigências para uma vida que flua. Temos as nossas questões pessoais, nossa vida íntima,  a vida adulta, expectativas sobre nossa performance no trabalho, alimentação, família, compromissos e inquietações. Muitas vezes parece assustador coordenar e equilibrar todo esse panteão de ideias que nos habitam.

As sociedades ancestrais, muitas vezes, davam nomes para cada uma dessas “partes” que nos compõem. Dando nomes, organizavam, tornavam suas relações com cada “parte” mais lúdicas e lúcidas também. 

Quando pensamos sobre a nossa relação com o trabalho, estamos conversando com o nosso Hefesto particular. Ao darmos ouvidos à nossa necessidade de leveza, comunicação e humor, estamos acessando nosso Hermes. Respeitar um momento para relaxar, ouvir boa música e tomar um bom vinho, pode ser tanto deixar que nos preencha Dioniso, na dança e na exaltação, quanto Apolo, na contemplação silenciosa daquilo que nos encanta. Direcionar nossa energia, nossa potência para resolver problemas e dar conta daquilo que queremos fazer é ter uma relação direta e franca com nosso Ares pessoal, da mesma maneira como respeitar nosso silêncio e necessidade de introspecção é honrar a profundidade necessária ao nosso Hades. Perceber a dinâmica dos nossos sentimentos, o senso de oportunidade fluido que encontra caminho pelas resistências da realidade, é fazer bom uso de nosso Posídon. Conseguir perceber quando é o momento de dar ênfase, vez e voz a cada uma dessas partes, é saber ouvir nosso lado diplomático, nosso Zeus. 

Claro que todas as divindades têm luz e sombra, partes que podemos chamar de  “positivas” e “negativas”. Mas, cá entre nós? Não existem divindades vingativas, existem divindades negligenciadas. 

A sabedoria ancestral do politeísmo grego estava em conhecer uma a uma, suas narrativas sagradas, aventuras e envolvimentos, para que possamos nos relacionar melhor com cada uma dessas “partes” que pulsam dentro de nós.  Por isso sempre digo: Quem sabe mito se sabe mais!

Dando continuidade ao Curso de Mitologia que a Coletividade Helênica de São Paulo está oferecendo, teremos O Ciclo dos Grandes Deuses, com o professor Renato Kress. Serão 8 encontros no total, com aproximadamente 3h de duração por encontro e material incluso. Apostila, contação da história, roda de conversa e gravação do encontro, que ficará disponível por 30 dias.

Inscrições até o dia 05/07/2021. O curso terá inicio no dia 09/07/2021, das 18h às 21h. Aulas às sextas-feiras.

Venha participar! Mais informações, contate a Matina: (11) 99782-5300 ou cultural@helenica.com.br.

Datas dos Encontros:

  • Zeus – 09/07/2021
  • Hades – 16/07/2021
  • Posídon – 23/07/2021
  • Ares – 30/07/2021
  • Apolo – 06/08/2021
  • Hefesto – 13/08/2021
  • Hermes – 20/08/2021
  • Dioniso – 27/08/2021

Renato Kress é carioca, antropólogo, cientista político, especialista em psicologia analítica pelo IJRJ e arteterapeuta em formação.

Criador e coordenador dos encontros Mito e Mente desde 2010!

@instituto_atena

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Conheça outras curiosidades

Falando Grego

Você nem imagina o quanto da língua grega você já sabe. Seja você de origem grega ou não, logo perceberá que já fala grego, principalmente se você atua nas áreas de matemática, medicina, química, astronomia ou filosofia, você já está usando o grego todos os dias, mesmo sem ter notado.

A Queda de Constantinopla

A queda de Constantinopla ocorreu em 29 de maio de 1453, após um cerco que começou em 6 de abril. A batalha fez parte das Guerras Bizantino-Otomanas (1265-1453) e é considerada um dos dias mais sombrios da história grega e da igreja Ortodoxa.